Meu pai é o dedo verde da família: tudo que ele planta, nasce. Desconfio até que ele simplesmente joga as sementes na terra, tamanha a conexão que ele tem com a natureza. Na casa onde ele mora (e onde passei boa parte da minha vida) há pés de abacate, figo, uva, laranja, bergamota, jabuticaba, romã, kiwi, alfaces, couve, tomate, cenoura, zilhões de temperos e mil e uma plantas de todos os tipos. Inclusive, quando eu e minha irmã nascemos, ele plantou uma árvore para cada uma. Mas, no momento que escrevo esse texto, meu pai está na UTI, em coma, por conta de um acidente e longe das plantas dele, lutando pra viver. E eu aqui estou, a três estados de distância, pedindo ao universo que não me separe precocemente do meu pai.

Por acaso, ou destino, nesse final de semana aconteceram as oficinas de Tingimento Natural e Impressão Botânica da Maibe, da Mattricaria (inclusive já está no ar a entrevista que eu fiz com ela para o podcast Você se Veste de Quê?). Pensei muitas vezes se deveria ir, apesar de estar inscrita há um tempinho já, porque com meu pai hospitalizado estou com pouca cabeça para as coisas; mas 1- meu pai sempre amou plantas, ia querer de verdade que eu fosse, 2- era uma forma de me conectar com as coisas que são importantes para ele, 3- estava esperando essas oficinas há muito tempo. Então decidi ir. E foi fantástico.

O mundo anda meio louco ultimamente. E nesse cenário, tenho optado pelas pequenas revoluções e pela busca diária em tornar o mundo um lugar melhor para mim, para quem eu amo e para todo que compartilham esse lugar que nós chamamos de Terra. E para mim elas têm feito todo sentido, porque eu acredito de verdade no poder que cada um de nós carrega individualmente.

Outro dia li uma frase incrível, que reflete muito a minha busca atual:

Essa coisa de prestar atenção nas responsabilidades de ser humano num planeta que caminha para a escassez de recursos naturais é muito poderosa. Dá mais sentido à vida, estabelece um ritmo diferente do que é imposto, amplia as percepções sobre muitas coisas, faz questionar e refletir o tempo todo sobre o que realmente precisamos, de onde vem e para onde vai o que usamos.

Mas vamos à oficina! Foram duas na verdade. A de Tingimento Natural e técnicas de Shibori, e a de Impressão Botânica. Não foram oficinas técnicas, mas muito mais um resgate de saberes, compartilhamento de conhecimentos, redescobrimento da Natureza e mão-na-massa. Quando a gente imagina que cascas de cebola podem dar cor verde? E também amarela? Que o urucum pode pintar cor de laranja? Que cascas de romã tingem lindamente? Que é possível criar minhas próprias estampas com pétalas de rosa, cascas e folhas?

Depois das oficinas vi os tecidos e a Natureza de outra forma. Comecei a prestar atenção nos cheiros, nas cores. Hoje mesmo me peguei cheirando uma manga que caiu do pé no ateliê, e explorando folhagens para ver como elas poderiam pintar um kimono. Ando querendo tingir tudo, presentear as pessoas com tecidos coloridos de natureza e encher a vida dessas cores inexploradas.

Louco né? E poderoso também! Porque nós, humanos, somos parte da Natureza, mas a gente se esquece tanto disso. Me ver como parte desse sistema perfeito me trouxe outra perspectiva, principalmente nesse momento. Enxerguei abundância, ao invés de escassez; Me vi integrada, conectada. Estou prestando mais atenção no som do mar, na cor do céu, na textura das plantas, em mim mesma. Entendi melhor o tempo da Natureza e a nossa mania de querer atropelar tudo. Mergulhei em sensações, entendi o tempo do meu pai e a importância de seguir nesse busca por um mundo melhor — tudo junto, ali, ao lado de panelas e tecidos coloridos.

Agora ando pensando muito em como imprimir essas sensações em tecidos. O mundo definitivamente precisa mais disso.

 
 
Olha só que incrível! Na foto de cima foi feito tingimento com cascas de cebola + ferro com a técnica de dobraduras Shibori, e na foto de baixo foi a impressão botânica com pétalas de rosa + folhas de eucalipto e louro, urucum, hibisco e cascas de jatobá!

 

Gratidão demais pela oportunidade, Maibe ❤

Gostou? Quer receber mais conteúdos como esse? Assina a nossa lista!

Tingimento Natural, meu pai e as pequenas revoluções de cada um
Classificado como:                    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *