Dia 24 de abril de 2013: mais de 1100 pessoas morreram e 2500 ficaram feridas com a queda do complexo fabril Rana Plaza, em Dhaka – Bangladesh. Lá funcionavam várias confecções que produziam para grandes marcas de fast-fashion. Antes da queda do prédio os trabalhadores haviam avisado os administradores sobre as rachaduras e a estrutura insegura do edifício, mas sempre eram forçados a voltar. Esse foi o maior desastre da história da indústria têxtil e o que deu início ao Fashion Revolution, um movimento por uma revolução na moda.

Desde a queda do Rana Plaza, em 2013, todos os anos o movimento Fashion Revolution convida as pessoas a pensarem e questionarem quem fez suas roupas, calçados, bolsas, acessórios, como essas peças foram feitas, onde, em quais condições. Para nós que trabalhamos com moda ética pode parecer óbvio que precisamos de uma mudança gigante na indústria da moda, mas qual a real importância do Fashion Revolution na nossa vida?

No segundo episódio do podcast da Lusco Fusco eu falo sobre o movimento Fashion Revolution – como começou, porque precisamos de uma revolução na moda, o verdadeiro custo por trás das nossas roupas e mucho más. 

É só dar play =)

 

Pra quem quer ir direto ao ponto: 

00:00 Apresentação do podcast e do assunto que vamos falar
01:53 Quem faz nossas roupas?
04:47 Afinal de contas, quem fica com nosso dinheiro?
05:34 E a questão ambiental?
06:28 O algodão
07:50 A água
09:30 O descarte
10:05 Moda, a 2º indústria que mais polui
10:39 A relação entre dinheiro, moda e poder
12:41 Como melhorar a nossa relação com a moda? 

Referências e links:

Documentário The True Cost

Mode.fica

Roupa Livre

Vídeo: Como seguir criando roupas num mundo que não precisa mais de roupas 

Quer ficar sabendo de novos episódios? Assina a nossa lista!

Você também pode ler o conteúdo deste podcast > aqui. 

Se você preferir, pode escutar via SoundCloud > aqui

Podcast: Você se veste de quê? Episódio 2
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone
Classificado como:    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *